quarta-feira, 31 de agosto de 2011

433 Buddha Lomasakassapa


433

Um rei como Indra...etc.” - Esta história o Mestre contou enquanto residia em Jetavana relativa a um Irmão com mente mundana. O Mestre perguntou a ele se desejava o mundo e quando ele admitiu que sim, o Mestre disse, “Irmão, mesmo homens de alta fama algumas vezes incorrem em infâmia. Pecados como estes sujam mesmo so seres mais puros ; muito mais alguém como tu.” E então ele contou uma história do passado.


_____________________


Certa vez príncipe Brahmadatra, filho do rei Brahmadatra de Benares e o filho do seu capelão de família chamado Kassapa, eram colegas de classe e aprenderam todas as ciências na casa do mesmo professor. Logo o jovem príncipe com a morte de seu pai foi estabelecido no trono. Kassapa pensou, “Meu amigo se tornou rei : ele me outorgará grande poder : o que tenho a ver com poder ? Pedirei licença ao rei e aos meus pais e me tornarei um asceta.” Então ele foi para os Himalaias e adotou a vida religiosa e no sétimo dia ele entrou nas Faculdades e Consecuções e ganhava a vida com o que catava nos campos. E as pessoas o apelidaram asceta Lomasakassapa ( Kassapa Cabeludo ). Com os sentidos mortificados se tornou um asceta de austeridade severa. E pela virtude de sua austeridade o domicílio de Sakra foi sacudido. Sakra, refletindo na causa, observou-o e pensou, “Este asceta, pelo fogo feroz extraordinário de sua virtude, me fará até cair da região de Sakra. Após uma conversa secreta com o rei de Benares, quebrarei a austeridade dele.” Pelo poder de um Sakra ele entrou no aposento real do rei de Benares à meia noite e iluminou todo o quarto com a radiância de sua forma e pousado nos ares diante do rei ele o acordou e disse, “Senhor, levante-se,” e quando o rei perguntou “Quem és tu ?” ele respondeu “Sou Sakra.” “Por quê viestes ?” “Senhor, desejas ou não a lei única em toda a Índia ?” “Claro que desejo.” Então Sakra disse, “Traga Lomasakassapa aqui e faça-o oferecer um sacrifício de animais e tu te tornarás, como Sakra, isento de velhice e de morte e exercerá a lei em toda a Índia,” e ele repetiu a primeira estrofe :


Um rei como Indra serás,

Nunca fadado a ver velhice e morte,

Kassapa ao teu conselho

Oferecerá um sacrifício de viventes.


Escutando estas palavras o rei consentiu prontamente. Sakra disse, “Então não se atrase,” e partiu. Dia seguinte o rei chamou um conselheiro chamado Sayha e disse, “Bom senhor, vá até meu bom amigo Lomasakassapa e em meu nome fale assim para ele : ' O rei te persuadindo a oferecer um sacrifício se tornará o legislador único de toda a Índia e ele te dará tanta terra quanto você desejar : venha comigo oferecer sacrifício '.”

Ele respondeu, “Muito bem, senhor,” e proclamou através de batida de tambor para saber o lugar onde o asceta residia e quando um certo mateiro disse, “Eu sei,” Sayha foi até lá sendo guiado por ele com um largo séquito, e saudando o sábio, sentou respeitosamente em um dos lados e deu a mensagem. Então ele respondeu a ele, ”Sayha, que é isto que dizes ?” e recusando falou estas quatro estrofes (estas estrofes ocorrem no Jataka 310) :


Nenhuma ilha protegida pelo mar,

Sayha, a fazer esta crueldade, me tentará.


Maldição sobre a luxúria da fama e do ganho,

De onde os pecados que levam a dor sem fim brotam.


Melhor como vagabundo sem lar mendigar o pão

Do que por um crime sobre minha cabeça trazer vergonha.


Sim melhor com tigela na mão fugir do pecado

Do que por tal crueldade ganhar um reino.


O conselheiro, após escutar o quê ele disse foi e contou ao rei. Pensou o rei, “Ele se recusando a vir, o quê posso fazer ?” e guardou silêncio. Mas Sakra à meia noite veio e pousado nos ares disse, “Por quê, senhor, não chamaste Lomasakassapa e o ordenou a oferecer sacrifício ?” “Quando chamado ele se recusou a vir.” “Senhor, adorne, enfeite tua filha, princesa Candavati e a envie pelas mãos de Sayha e peça a ele para dizer, 'Se você vier e oferecer sacrifício, o rei te dará esta donzela como esposa.' Ele será claramente atingido de paixão pela donzela e virá.” O rei concordou prontamente e dia seguinte enviou sua filha pelas mãos de Sayha. Sayha pegou a filha do rei e foi até lá e após saudação e cumprimentos usuais ao sábio, apresentou a princesa, tão amável quanto uma ninfa celestial e permaneceu a uma distância respeitosa. O asceta perdendo o sentido moral olhou para ela e com o mero olhar ele caiu da meditação. O conselheiro vendo que ele foi atingido pela paixão disse, “Vossa Reverência, se ofereceres sacrifício o rei te dara está donzela como esposa.” Ele tremia com o poder da paixão e disse, “Ele com certeza a dará para mim ?” “Sim, se você oferecer sacrifício, dará.” “Muito bem,” ele disse, “S'eu conseguir ela, eu sacrificarei,” e levando ela com ele, justo como estava com tranças de asceta e tudo, subiu em uma carruagem esplêndida e foi para Benares. Mas o rei, logo que escutou que certamente ele vinha, preparou a cerimônia no poço sacrifical. Então quando viu que ele estava vindo, disse, “Se você oferecer sacrifício, eu me tornarei igual a Indra e quando o sacrifício estiver completo, te darei minha filha.” Kassapa prontamente assentiu. Então o rei dia seguinte foi com Candavati para o poço sacrifical. Lá todas as bestas de quatro patas, elefantes, cavalos, touros e o resto foram colocadas em linha. O povo então reunido lá disse, “Isto não te é próprio nem te cabe bem Lomasakassapa : por quê ages assim ?” E lamentando eles pronunciaram duas estrofes :


Sol e lua ambos produzem influência potente,

E as marés nenhum poder na terra pode conter,

Brahmins e sacerdotes são poderosos,

Mas as mulheres são bem mais.


Assim Candavati levou

Kassapa severo para pecado mortal,

E o faz por artifício de seu pai

Oferecer de viventes sacrifício.


Neste momento Kassapa, para oferecer sacrifício, levantou sua preciosa espada para atingir o elefante real no pescoço. O elefante vendo a espada aterrorizou-se com medo da morte e baliu um balido, grito, alto. Escutando seu grito as outras bestas também, elefantes, cavalos e touros com medo da morte gritaram altos gritos e o povo também gritou alto. Kassapa, escutando esta gritaria, excitou-se e refletiu com suas tranças. Então ele tornou-se cônscio das tranças de cabelo e da barba e do cabelo no corpo e na tórax. Cheio de remorso ele gritou, “Ai ! Fiz um gesto pecador impróprio a meu caráter,” e mostrando sua emoção ele falou a oitava estrofe :


Este ato cruel é fruto do desejo ;

O crescimento da luxúria cortarei pela raiz.


Então o rei disse, “Amigo, nada tema : ofereça o sacrifício e eu te darei a princesa Candavati e meu reino e uma pilha de sete tesouros.” Escutando isto Kassapa disse, “Senhor, não quero este pecado na minha alma,” e falou a última estrofe :


Malditas as luxúrias nesta terra tão frequente,

De longe melhor que elas a vida ascética ;

Abandonarei pecado e eremita serei :

Guarde teu reino e a bela Candavati.


Com estas palavras ele concentrou seus pensamentos no objeto místico e recobrando a ideia perdida sentou de pernas cruzadas nos ares, ensinando a lei para o rei e aconselhando-o a ser zeloso em obras boas, disse para destruir o poço sacrifical e dar anistia ao povo. E com rogo do rei, voando nos ares ele retornou para sua própria morada. E enquanto viveu, cultivou as perfeições de Brahma e tornou-se destinado a nascer no mundo de Brahma.


______________________


O Mestre tendo terminado sua lição revelou as Verdades e identificou o Jataka :- Na conclusão das Verdades o Irmão de mente mundana atingiu Santidade :- “Naqueles dias o grande conselheiro Sayha era Sariputra, Lomasakassapa era eu mesmo.”


Nenhum comentário: