segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

456 Buddha e Ananda


       
           ( Buddha e Ananda em pintura de Ajanta )

         456
Ó rei dos homens...etc.” - Esta história o Mestre contou enquanto residia em Jetavana sobre os dons recebidos por Ancião Ānanda. Durante os primeiros vinte anos da sua vida qual Buddha, os ajudantes do Abençoado não foram sempre os mesmos : algumas vezes Ancião Nagasamala, algumas vezes Nagita, Upavana, Sunakkhatta, Cunda, Sagala, algumas vezes Meghiya ajudavam o Abençoado. Um dia o Abençoado disse aos Irmãos : “Agora estou velho, Irmãos : e quando digo, Vamos por este caminho, alguns da Irmandade vão por outro caminho, alguns largam minha tigela e hábito no chão. Escolham algum Irmão que possa me acompanhar .” Então todos se levantaram, começando pelo Ancião Sariputra juntaram as mãos nas cabeças e gritaram “ Te ajudarei Senhor, te ajudarei !” Mas ele os recusou, dizendo, “O pedido de vocês está impedido ! Basta !” Então os Irmãos disseram ao Ancião Ananda, “Você amigo peça o posto de ajudante.” O Ancião disse, “Se o Abençoado não me der a roupa que receber, se ele não me der o donativo de comida, se me não conceder habitar na mesma cela cheirosa, se ele não me tiver com ele quando e onde for convidado mas se o Abençoado for comigo onde eu for convidado, se me for concedido apresentar a companhia que no momento da chegada do estrangeiro de outros estados e países para ver o Abençoado, se me for concedido aproximar do Abençoado tão logo dúvida surja, se quando o Abençoado discursar em minha ausência ele repetir seu discurso para mim assim que eu retorne : então eu servirei e permanecerei do lado do Abençoado.” Estes oito pedidos, ele anelou, quatro negativos e quatro positivos. E o Abençoado os concedeu todos a ele.
Após isto ele permaneceu ao lado de seu Mestre continuamente por vinte e cinco anos. Assim tendo alcançado preeminência nos cinco pontos e tendo ganho as sete bençãos, benção da doutrina, benção da instrução, benção do conhecimento das causas, benção de inquirir sobre o bem de alguém, benção de residir em um lugar santo, benção da devoção iluminada, benção de ser Buddha em potencial, na presença do Buddha recebeu a herança de oito dons e tornou-se famoso na religião do Buddha e brilhou como a Lua nos céus.
Um dia falavam sobre isto no Salão da Verdade : “Amigo, o Tathagata satisfez Ancião Ananda cocedendo-lhe pedidos.” O Mestre entrou e perguntou, “Sobre o quê conversam, Irmãos, sentados aí ?” Eles disseram. Então ele falou, “Esta não é a primeira vez, Irmãos, mas em dias idos como agora concedi a Ananda seu pedido ; em dias antigos, como agora, o quê quer que ele pedisse, eu lhe concedia.” E assim falando, ele contou uma história do passado.

__________________

Certa vez, quando Brahmadatra reinava em Benares, um filho dele chamado Príncipe Junha, ou Príncipe Luz da Lua, estudava em Takkasila. Uma noite, após escutar cuidadosamente as instruções de seu professor, ele deixou a casa do professor no escuro e dirigiu-se para sua casa. Um certo brahmin que havia buscado ofertas, voltava para casa, e o príncipe não o percebendo atropelou o brahmin e quebrou a tigela dele com um golpe de seu braço. O brahmin caiu com um grito. Misericordioso o príncipe voltou e segurando as mãos do brahmin o levantou em seus pés. O brahmin disse, “Agora, meu filho, que você quebrou minha tigela me dê o preço de uma refeição.” Disse o Príncipe, “Não posso te dar agora o preço da refeição, brahmin ; mas sou Príncipe Junha, filho do rei de Kasi e quando voltar para meu reino, venha até mim e peça o dinheiro.”
Quando sua educação estava completa, ele pediu licença ao professor e retornando para Benares, mostrou a seu pai o quê havia aprendido.
Contemplei meu filho antes de morrer,” disse o rei “e o verei rei na realidade.” Então o aspergiu e o fez rei. Sob o nome de Rei Junha o príncipe legislou retamente. Quando o brahmin escutou sobre isto, ele pensou que agora iria recobrar o preço de uma refeição. Então para Benares ele foi e viu a cidade toda decorada e o rei passando em procissão solene no sentido horário ao redor dela. Tomando posição em um lugar alto, o brahmin esticou a mão e gritou, “Vitória ao rei !” O rei passou sem olhar para ele. Quando o brahmin percebeu que não estava sendo notado, pediu explicação repetindo a primeira estrofe :

Ó rei das pessoas, escute o que tenho para dizer !
Não sem razão venho aqui ho-je.
É dito, Ó melhor dos homens, não se deve atravessar
Um brahmin errante estando no caminho.

Escutando estas palavras o rei voltou o elefante com seu aguilhão em jóias e repetiu a segunda estrofe :

Escuto e paro : vamos brahmin, rapidamente diga,
Que razão te traz aqui ho-je ?
Que dádiva desejas de mim
Que tenhas vindo me ver ? Fale, peço !

O quê em seguida rei e brahmin disseram um ao outro a guisa de pergunta e resposta, e relato nas estrofes restantes :

Dê-me cinco cidades, todas belas e ricas
Cem mulheres empregadas e setecentas cabeças de gado,
Mais de mil ornamentos de ouro
E duas esposas, de mesmo nascimento que o meu.

Tens uma penitência, brahmin, terrível de dizer,
Ou tens muitos encantos e muitos feitiços
Ou demônios, prontos para fazer tua vontade,
Ou qualquer reclame por ter me servido bem ?

Nenhuma penitência tenho, nem encanto nem feitiço,
Nenhum demônio pronto a me obedecer
Nem qualquer recompensa por serviço posso clamar ;
Mas nos encontramos antes, verdade seja dita.

Não me lembro, no tempo já passado,
De ter já visto tua face antes.
Diga-me, te suplico, me diga isto,
Quando nos encontramos, ou onde, em dias idos ?

Na bela cidade do rei Gandhara,
Takkasila, meu senhor, era tua morada.
Lá no breu da escuridão da noite
Ombro contra ombro você e eu demos um encontrão.

E enquanto estávamos lá em pé, Ó príncipe,
Uma conversa amigável teve início entre nós.
Então nos encontramos, e lá apenas,
Nem uma vez antes e nenhuma depois.

Onde quer, brahmin, que um sábio encontre
Um homem bom no mundo, ele não deve deixar
Amizade antiga ou um velho conhecido ir
Sem nada, nem uma coisa feita antes ser esquecida.

Tolos negam a coisa feita e deixam
Velhas amizades faltarem àqueles que antes conheceram,
Muitos gestos dos tolos não levam a nada
São ingratos e podem esquecer.

Mas homens confiáveis não podem esquecer o passado,
Amizade e convivência com eles é sempre mais estreita.
Uma insignificância para este não é rejeitada :
Assim homens confiáveis são gratos até o fim.

Cinco cidades te dou, belas e ricas,
Cem mulheres empregadas e setecentas cabeças de gado,
Mais de mil ornamentos d'ouro,
E mais, duas esposas iguais a ti em nascimento.

Ó rei, assim é quando os bons concordam :
Como quando vemos a Lua cheia entre as estrelas
Do mesmo modo, Ó Senhor de Kasi, eu estou,
Agora que cumpriste a barganha feita comigo.

O Bodhisatva adicionou grande honra a ele.

___________________

Quando o Mestre terminou este discurso, ele disse, “Esta não é a primeira vez, Irmãos, que concedi dádivas a Ananda mas concedi-as antes.” Com estas palavras, ele identificou o Jataka : “Naquele tempo Ananda era o brahmin e eu mesmo era o rei.”


 

Nenhum comentário: